top of page
  • Juliana Pina

Mulheres peixas


Fui peixa quando inventei de vir ao mundo, nadando no oceano profundo que me abrigava.

Fui peixa quando inventei ser artista, nadando contra a maré.

Fui peixa quando aprendi o amor, mergulhando em mim e no outro.

Fui peixa quando entendi a vida... essa eterna falta de ar diante do normal.

Fui peixa sendo gente, comportamento típico dos inocentes.

Sou peixa mesmo não sendo, não sabendo, não entendendo.


Às vezes nem o mar é suficiente.

Peixa não se pesca e nem é sereia.

Mulheres-peixas andam em bando e, ao mesmo tempo, sozinhas.

Vivem discutindo qual será o próximo transbordamento.

Aceitam bem as transformações, vivem o momento.

Se perguntam sempre: onde deixei aquele pedaço de gente que fui?

Criam respostas impossíveis para perguntas sem pé nem nadadeiras.

Sou peixa porque em algum outro lugar sou gente.

Kommentare


Die Kommentarfunktion wurde abgeschaltet.
bottom of page