top of page
  • Juliana Pina

Sem cabimento

Eu não caibo.

Nunca coube.

O corpo que me abriga nunca foi o suficiente.

Por isso a arte, por isso o presente.



Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page